sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Perigo na piscina


Água da piscina pode virar criadouro do mosquito Aedes aegypti. Saiba porque e como evitar

A cada ano que passa, a dengue aparece mais nos noticiários. Em períodos de calor é ainda pior. Isso porque de janeiro a maio o desenvolvimento dos mosquitos é mais rápido, assim como a transmissão da doença. Se para evitar a proliferação e o desenvolvimento das larvas do Aedes aegypti é preciso acabar com a água parada, deve-se também tomar atenção com piscinas.
Muita gente acha que tratando de vez em quando a água da piscina já evita o desenvolvimento de larvas, mas a verdade não é bem assim. “A quantidade mínima de cloro para eliminar as larvas do mosquito que porventura tenham sido depositadas na água é de 0,1% do volume total, ou seja, um mililitro para cada litro de água. O cloro é muito eficiente, pois tem ação mortal sobre as larvas, impedindo o seu desenvolvimento, mas precisa ser aplicado na medida certa para ser efetivo”, afirma. Élio Daines Schneider, diretor da Igarapé, loja de Curitiba (PR) especializada na construção e manutenção de piscinas.
Outro ponto a ser considerado seriamente, diz respeito à necessidade de reaplicação do produto de tempos em tempos. “O tratamento com cloro tem prazo de duração, ou seja, o produto precisa ser reaplicado para garantir a sua eficácia. O ideal nesse caso é solicitar sempre orientação técnica em lojas especializadas em piscinas”, acrescenta o diretor.

Foto: Virgínia Vargas

Como as larvas do mosquito não sobrevivem em altas pressões, piscinas mais fundas não costumam virar criadouros. “Piscinas rasas ou com escadas são as mais propícias para o desenvolvimento das larvas do mosquito, pois elas costumam descer até o fundo para se alimentar e em piscinas profundas não resistem à pressão e morrem”, explica Schneider. Piscinas abandonadas ou mantidas com água pela metade também oferecem riscos.
Schneider explica ainda que, graças ao avanço da tecnologia, existem no mercado equipamentos que geram automaticamente o cloro por meio da adição de sal na água. “Piscinas com essa tecnologia não correm risco de terem larvas na água. Mesmo assim, é importante realizar periodicamente uma limpeza nas bordas com uma bucha ou escova”, finaliza.

Sobre a Igarapé Piscinas:
Com 20 anos de tradição, a Igarapé Piscinas ocupa uma posição de destaque no mercado paranaense, disponibilizando toda sua experiência para a construção de piscinas, spas, saunas secas e úmidas. Representantes de tecnologias de última geração no que se refere à automatização na limpeza física e ao tratamento químico de piscinas, a Igarapé atende aos mais exigentes projetos elaborados por arquitetos, engenheiros e construtoras, garantindo a execução da obra com respeito às normas de segurança da ABNT.

Contato:
Igarapé Piscinas
Endereço: Av. Mal. Humberto de Alencar Castelo Branco, 516
Telefone: (41) 3262-0013

Crédito de texto:
Virgínia Vargas - Assessora de Imprensa (41) 3325-3443 / 9611-2170 virginiavargas.assessoria@gmail.com